05de Março,2021

Geopt.org - Portugal Geocaching and Adventure Portal

Sede de montanha Featured
31 January 2021 Written by 

Sede de montanha

Em busca dos recantos fantásticos da Arrábida, no encalço da meia montanha da Serra do Risco (GCH744). O objetivo passava por alcançar o vértice geodésico que fica no topo da crista montanhosa, sobranceiro sobre o mar imediato. Pelo caminho segui em passeio geocaching, de enigma em enigma (GC3G2FJ), passando por inúmeros pontos de interesse. A experiência acabou também por ser um aviso sério sobre a importância da água num contexto de isolamento.

A elaboração do plano, incluindo informações e sugestões, decorreu sem sobressaltos. A investida acabou por ser individual, visto que a Valente optou pelo marasmo da praia. A noite anterior foi longa e mal dormida, pelo que estava a considerar adiar a aventura. Porém, pela manhã, começou a remoer uma inquietação, que me fez saltar para um banho frio e para esta experiência. Contudo, acabei por levar apenas cerca de 1,5 litros de água, o que me complicou bastante a vida. Num dos dias mais quentes do ano, a partir do meio do percurso tive de fazer uma gestão cuidada, do esforço e da água.

Quando assentei o olhar na meia montanha da serra do Risco pressenti de imediato que o dia estava ganho. A parte inicial decorreu sem sobressaltos, em passeio acelerado pelo sopé da serra. A meio do percurso fiz um desvio para ir conhecer as marmitas de gigante (GCVZ4H). Seguindo o trilho recomendado, acabei por não demorar muito a chegar próximo do local e fiquei impressionado com o que avistei. Como estava na hora de almoçar optei inclusive por ficar mais algum tempo por ali e fui primeiro recuperar as forças nos alimentos, com a anuência de uma sombra muito acolhedora. Depois do registo andei em explorações, entrando e saindo das saliências calcárias. Fui ainda até o topo, de onde se tem uma vista generosa e fantástica para o vale mais abaixo. Fiquei curioso sobre como seria o local com o ribeiro a correr por lá. Certamente será uma visão extraordinária, com as pequenas cascatas e a vegetação que lhe dará uma envolvência de beleza. Contudo, como é natural, pela altura da visita não havia água e estava tudo deserticamente seco.

Continuando a caminhada, passei ao lado da pedreira. A paisagem foi-se tornando mais alva, menos interessante e diminuída de natureza. O passo tornou-se mais lento e empoeirado, sendo que na subida apareceram as primeiras dificuldades pela falta de água. Chegado lá acima, avistei o infinito azul. À minha frente estendia-se uma janela fantástica para o horizonte, emoldurada pelo arvoredo e rochas, onde aproveitei para descansar à sombra. Segui depois pela crista da montanha em direção ao pico. O percurso é fantástico, entre os campos de um lado e uma visão extraordinária para o abismo azul do outro. O trilho na parte superior é um verdadeiro regalo para os sentidos. É quase impossível tirar os olhos do que se estende aos nossos pés e é daqueles sítios que nos devolvem a sensação de pequenez face ao que se vislumbra.

Já sabia que iria encontrar um vértice geodésico, porventura aquele do qual todos os outros VGs em Portugal invejam a posição, pelo que a dado momento deixei de olhar para o recetor GPS e segui pela linha altaneira da montanha, com o olhar fisgado na linha de mar que parece não ter fim. Ao chegar ao VG, em grande desgaste, fui de imediato à procura de uma sombra e descansei por largos minutos, com o olhar entretido pelo horizonte azul. Fiz-me depois em busca do “tesouro”. Ainda ganhei algum tempo a ler os relatos que quem já lá havia ido.

Estive por ali mais algum tempo a aproveitar alguma sombra e retomei depois o meu périplo, já em grande desgaste físico e psicológico, por um risco de emoções no topo da arriba e até à planície. Depois de a água ter acabado, e com tanta vontade de encontrar alguém que me pudesse ajudar, comecei a ter alucinações. Os zumbidos dos mosquitos e das moscas pareciam vozes de pessoas. Porém, olhava para todos os lados, fazia pequenos desvios, falava aqui e além, mas não havia alguém por perto. Não estive perigos desumanos, mas o percurso transformou-se numa experiência de sobrevivência e um aviso sério para outras aventuras. Quando cheguei ao carro, a água escaldante de garrafa esquecida pareceu néctar dos deuses.

Artigo publicado em cruzilhadas.pt



Login to post comments
Geocaching Authorized Developer

Powered by Geocaching HQ
Geocaching Cache Type Icons © Groundspeak, Inc.
DBA Geocaching HQ.
All rights reserved. Used with permission.

Newsletter